Os empreendedores que nos fizeram sorrir em 2020

Eles atacaram o racismo, ajudaram comunidades e artistas, lutaram pela preservação do meio ambiente, encontraram o riso em meio à tragédia. E assim nos ajudaram a superar as dificuldades de ano que passou e nos preparar para um  2021 mais produtivo - e feliz  

“Meu nome artístico, Pequena Lo, foi ideia de um primo que é publicitário. Sou pequena. Tenho 1,30 m, em função de uma deficiência que ainda não foi batizada pelos médicos, mas tem a ver com displasia óssea. Em 2015, criei um canal no YouTube para postar vídeos engraçados — sempre gostei de fazer humor. Foi também nesse período que comecei a cursar psicologia. Como era impossível conciliar as duas coisas, fiquei meio distante das redes até 2019, quando comecei a fazer memes com assuntos do momento. Mas foi só neste ano, no começo da pandemia, que meus vídeos ganharam visibilidade. Eu, que pensava em fazer atendimento online na minha área de formação, acabei seguindo um caminho totalmente inusitado. A quarentena ajudou, pois as pessoas estavam entediadas e procurando diversão online. E esse período coincidiu com a popularização do TikTok, um canal que favorece a viralização de vídeos curtos. Para aproveitar as oportunidades, passei a me dedicar bastante à produção de conteúdo, postando duas vezes por dia, no Instagram e no TikTok. De uma hora para a outra, tudo ganhou proporções gigantescas. Em junho, eu tinha 80 mil seguidores no Instagram. Hoje, são 2 milhões, e mais 2,6 milhões no TikTok. A nova plataforma me deu um empurrão, pois o algoritmo de recomendação faz com que seu público aumente muito rapidamente. De forma geral, as interações com minha audiência são de aquecer o coração: gente que sofre de ansiedade, depressão, bullying. Eles inspiram-se nos meus vídeos para ter dias melhores. Há muitos deficientes que me procuram, dizendo que agora se sentem representados. E quem não tem deficiência diz que meus posts mudaram sua percepção sobre as pessoas com necessidades especiais. Para mim, foi uma oportunidade de juntar o útil ao agradável, já que consegui me monetizar, postando cerca de sete conteúdos de diferentes marcas por semana. Mas não se iluda: é muito trabalho. Há dias em que começo cedinho e vou dormir às 2h. Não reclamo, porque hoje consigo economizar dinheiro para comprar um apartamento. E tenho planos de me tornar atriz.”

Gostou? Para ter acesso a essa reportagem completa e ao conteúdo integral da edição,
acesse a Pequenas Empresas & Grandes Negócios pelo aplicativo Globo+, que está disponível na Google Store e na iTunes Store. 

GoogleStore.png
AppStore.png
Logo-Novo-Finalizado---Sem-fundo.png