Uma oficina para o público LGBT

Depois de terem sido ludibriados por um mecânico desonesto, três amigos decidiram se juntar e fundar uma oficina de nicho

Em 2014, Júlio Cezar Rocha Sinkunas, 40 anos, Wagner Carlos de Figueiredo, 30, e Odair Rocha Sinkunas, 59, foram convencidos a desembolsar R$ 5 mil para arrumar uma correia do carro que usavam. Como não podiam ficar sem o veículo, fizeram um empréstimo e pagaram pelo serviço. Mas, além da dívida, tiveram de lidar com a frustração de perceber que poderiam ter contratado o mesmo conserto, em outra oficina, por um terço do valor. “O mecânico viu três homens gays, sem aptidão nenhuma para carros, e achou que seríamos alvos perfeitos para ganhar um dinheiro fácil.”

O episódio fez com que os três decidissem fundar o JOW Centro Automotivo, voltado para o público LGBT - e também para mulheres. “Queríamos abrir um negócio que não ludibriasse quem não entendia de mecânica e funilaria. Identificamos que estes seriam os principais públicos”, diz Júlio. Na época, ele era funcionário público, enquanto Wagner e Odair trabalhavam no varejo. Nenhum deles tinha empreendido antes.

Gostou? Para ter acesso a essa reportagem completa e ao conteúdo integral da edição,
acesse a Pequenas Empresas & Grandes Negócios pelo aplicativo Globo+, que está disponível na Google Store e na iTunes Store. 

GoogleStore.png
AppStore.png
Logo-Novo-Finalizado---Sem-fundo.png